Conhecendo a parte moderna de Santiago com a Destino Chile

Planejar uma viagem requer muita pesquisa. Quantas vezes acabamos de chegar de algum lugar e descobrimos que acabamos não conhecendo tudo o que estava ali, na mesma região? Pois bem, fazer um city tour é uma das maneiras mais eficientes de dar uma geral nos pontos mais importantes de um lugar e também conhecer a história local.

Escolhemos fazer o tour “Santiago Moderno” com a Destino Chile, porque ele mostra a parte mais moderna da cidade, ou seja, o que fica além da parte central e mais antiga da cidade. Esta é a primeira parte do tour, que termina com uma visita à vinícola Concha y Toro, sobre a qual vocês podem ler aqui.

Nosso guia foi o Victor, que nos buscou no hotel logo cedo, às 07:45 (fomos os primeiros), e no caminho para buscar os outros passageiros ele já foi explicando e dando várias dicas sobre a cidade.

Com todos na van, começamos pelo bairro Lastarria às 08:30. O bairro Lastarria tem uma igreja muito antiga com o mesmo nome, cuja fachada é impressionante. Este bairro também é chamado de “pequena Bellavista”, pois se assemelha muito com o seu vizinho mais famoso, e conta com vários hotéis e restaurantes bem charmosos, incluindo o Sur Patagónico, onde jantamos uma noite com um casal de amigos que conhecemos no Atacama.

Cerro Santa Lucia

Depois, seguimos para o Cerro de Santa Lucia. Ele só abre para visitação às 09:00, e fomos os primeiros. Esse monte era conhecido como “local de dor”, pois era ali que as mulheres mapocho iam para dar à luz os seus filhos. Ao chegarem, os espanhóis mudaram o nome em homenagem ao povoado onde morava Pedro de Valdívia. Foi ali que fora fundada a cidade de Santiago, em 12 de fevereiro de 1541. A igreja de Santa Lúcia é a mais antiga de Santiago.

Cerro Santa Lucia
Vista da Cidade do Cerro de Santa Lucia
Mais uma da vista da cidade
Sempre quis uma foto com essas folhinhas

Uma história muito interessante sobre este local é que o último governador espanhol Casimiro Marco del Pont usou todos os encarcerados para plantar mudas de árvores vindas de várias partes do mundo, a fim de deixa o lugar mais bonito.

Como fomos os primeiros a chegar (obrigado, Destino Chile!) o local estava vazio e pudemos tirar várias fotos com uma vista privilegiada da cidade.

Na saída, Victor nos explicou que o trânsito em Santiago é bem pesado nos dias de semana das 07:00 às 09:30 e das 17:00 às 20:30, ou seja, nestes horários é preferível se locomover de metrô (que é bem eficiente). E, no metrô, prefiram sempre o primeiro e o último vagões, pois estão sempre mais vazios. Fica aí a dica pra vocês 😉

Depois, passamos por uma parte da cidade que foi construída pra ser uma réplica de uma parte da cidade de Paris. Antigamente, era muito chique falar francês e imitar os hábitos dos franceses, então chamaram um francês pra projetar o Museu de Belas Artes e o parque que fica em frente a este, o Parque Florestal. Ah, o Museu de Belas Artes tem entrada gratuita de terça a domingo.

Museu de Belas Artes
Calçada do Parque Florestal. Parece Paris, não é?

Depois de cruzar a ponte sobre o Rio Mapocho, entramos em Bellavista. Este é um dos bairros mais famosos de Santiago. No caminho, passamos por várias universidades. Uma curiosidade é que todo o estudo no Chile é pago, seja público ou privado. Mas os alunos que se destacam recebem uma bolsa do governo. Interessante, não?

No Bellavista também fica o conhecido Pátio Bellavista, com mais de 300 restaurantes. Ali também ficam outros restaurantes famosos como o Como Agua Para Chocolate, Agua Profunda e Galindo. Nesta “comuna” (como são chamados os bairros de Santiago) também fica a casa de Pablo Neruda, famoso poeta chileno ganhador do Nobel de literatura em 1971.

Depois, subimos no Cerro San Cristobal, de onde se tem uma vista privilegiada para a parte moderna da cidade. Havia placas por todos os lados comemorando os 100 anos de reflorestamento do parque.

Vista do Cerro San Cristobal

Paramos no Mirador Pablo Neruda, de onde se pode ver o Cerro El Plumo, o mais alto visível da cordilheira dos Andes e onde nasce o Rio Mapucho. Dali também tem uma vista muito bonita da cidade, pena que havia uma névoa muito espessa devido à poluição. Nosso guia nos disse que Santiago sofre muito com esta poluição devido, em parte, à sua geografia (parece uma “panela”), sendo considerada a segunda cidade mais poluída das Américas, ficando atrás somente da Cidade do México.

Chegada ao Mirante Pablo Neruda

Mirador El Plomo
Vista de Santiago
Mirante Pablo Neruda

Depois entramos em Providência, um dos bairros mais lindos de Santiago. É uma delícia caminhar por lá, despretensiosamente. Fizemos uma parada na Piedras Australes, uma loja especializada em artigos de cobre e lápis lazuli, uma pedra de um azul muito intenso que só é encontrada no Chile e no Afeganistão. Local perfeito pra comprar uma lembrança para aquela pessoa especial. A loja aceita dólares, euro e reais, mas não se preocupe, ali no bairro mesmo tem casas de cambio com excelentes taxas.

Saindo de Providencia passamos por Santa Maria de Manquehue, o bairro mais nobre da cidade. Ali não ha circulação de ônibus, e todas as vias são controladas por câmeras. Realmente fiquei impressionado com a imponência e modernidade das construções.

A próxima parada foi no Parque Bicentenário, um parque lindo, com muitos atrativos, dentre eles flamingos trazidos do Atacama, que ali vivem e podem ser alimentados pelos turistas com uma ração própria, comprada em maquinas utilizando uma moeda de 100 pesos chilenos. O parque fica ao lado do restaurante Mestizo, bem famoso na cidade.

Parque Bicentenário

Em Santiago, cada comuna tem uma prefeitura própria, com um chefe chamado Alcalde. É interessante ver como estes Alcaldes cuidam bem dos seus bairros, oferecendo à população diversas opções de lazer e atividades físicas. E os chilenos utilizam muito isso. E quem estiver por la também pode fazer o mesmo uso. Sério. Fiquei encantado com as opções da cidade.

Restaurante Mestizo, ao fundo

Pertinho do Bicentenário fica o Costanera Center, onde está o prédio mais alto da América do Sul, o Sky Costanera. Neste centro comercial fica também o Jumbo, um dos maiores mercados de Santiago, lugar excelente para comprar vinhos a um excelente preço (reserve espaço na mala para eles, do contrario vai se arrepender).

Costanera Center visto do Cerro San Cristobal

Depois, seguimos para o restaurante, onde almocamos e seguimos para a segunda parte do dia, um tour pela Concha y Toro, mas isso eu vou contar no proximo post.

Em resumo: este tour oferecido pela Destino Chile é excelente para quem acabou de chegar em Santiago, pois te dá uma ideia muito boa do que fazer pela cidade com mais calma, depois. Santiago tem vários lugares legais pra passar um fim de tarde, ou caminhar sem pressa pela manha, e sabendo onde estão estes lugares e o que fazer por la é exatamente a proposta desse tour. Eu adorei e super recomendo.

Se você estiver indo pro Chile, fala também com o pessoal da Destino Chile e inclua esse tour logo no primeiro dia que tiver por lá. Conta que leu a respeito aqui no blog que eles vão te dar um atendimento personalizado pra proporcionar uma experiencia incrível.

Lembrando sempre que se tiverem mais alguma dúvida podem sempre me mandar um e-mail que ajudarei da melhor forma possível.

Anúncios

2 comentários Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s